12/08/2018 Notícia

QUANDO TROCAR O FLUIDO DE FREIO?

total_blog-_v1_r0_1.png

Essencial para sistemas hidráulicos, o fluido de freio atua como elemento que auxilia a frenagem de diversos veículos de transportes, como motos, caminhões e, claro, o seu carro. Além de evitar a corrosão dos componentes do sistema de frenagem com sua lubrificação, também é por conta dele que a pressão exercida sobre o pedal de freios é transferida até as pastilhas e sapatas, que, junto aos tambores e discos, convertem naquela famosa freada que já chegou a garantir sua segurança no trânsito tantas vezes.

Sua composição básica é formada por glicóis, para regular o ponto de ebulição destes fluidos, pois este produto trabalha em condições adversas de temperatura e por inibidores de corrosão, já que ele entra em contato com partes metálicas do sistema de freios do automóvel.

Algumas características dos fluidos de freio devem ser destacadas para compreendermos melhor a sua composição, são elas.

  • Teor de água: Verifica a quantidade de água presente no produto. A maior ou menor quantidade tem influência direta sobre outras características do fluido, particularmente, sobre o ponto de ebulição podendo provocar sua redução.
  • Resistência à oxidação: Determina a resistência do fluido à ação do oxigênio do ar ao longo do seu uso. Esta ação pode provocar a oxidação do fluido tornando-o agressivo aos componentes metálicos, provocando alterações nestes, ou ainda a deterioração prematura dos componentes de borracha.
  • pH: Indica se o produto tem características ácidas, básicas ou neutras. pH muito alto ou muito baixo pode provocar desgastes nos componentes do sistema de freio.
  • Corrosão: Indica se o fluido provoca corrosão (ferrugem) nas partes metálicas.
  • Viscosidade cinemática: Característica que representa a fluidez do produto no sistema hidráulico, quando submetido a condições extremas de temperatura. Permite uma avaliação do funcionamento dos freios em condições normais e adversas.
  • Fluidez e aparência à baixa temperatura: Indica a viscosidade do produto a baixas temperaturas.
  • Perda por evaporação: Comportamento da fluidez do fluido de freio durante o seu tempo de uso, que consequentemente, representa sua perda por evaporação. Menores perdas indicam um maior tempo de vida útil do fluido.
  • Ponto de ebulição: Indica a formação de bolhas no sistema hidráulico, que poderiam provocar falhas no freio.
  • Estabilidade a alta temperatura: Característica que permite verificar se o fluido mantém inalterado seu ponto de ebulição, quando submetido a sucessivos aquecimentos e resfriamentos.
  • Efeito sobre a borracha: Determina o tempo de vida das gaxetas (material utilizado para a vedação das juntas) através das alterações provocadas pelo fluido de freio. 

Geralmente testes são realizados com base nas características acima, para determinar o desempenho do fluido de freio. Mas ainda assim, uma recomendação geral é que se faça a substituição dele uma vez por ano ou  de acordo com a recomendação do fabricante . Porém há algumas situações que podem indicar que o fluido de freio do seu carro deve ser trocado. Por exemplo, se você está notando que você precisa acionar mais força pra frear o carro ou que o pedal de freio está fundo, nestes casos é indicado uma ação preventiva no sistema de frenagem do seu veículo, para isso, a Total recomenda seus centros especializados em troca de fluidos, conhecidos como ROC (Rapid Oil Change) para uma verificação, ou algum mecânico/especialista de sua confiança. 

A Total Lubrificante possui produtos formulados especialmente para o sistema hidráulico de frenagem, o DOT 3, DOT 4 ou Elf Brake Fluid DOT 5.1 de alto desempenho. Saiba mais clicando aqui!

Passe em uma de nossas Trocas de Óleo, os ROCS, e verifique com quem entende, se todos os fluidos do seu veículo estão em dia. Encontre o mais perto de você clicando aqui!